terça-feira, novembro 01, 2011

Toma lá e vai para o estrangeiro.



Há quatro coisas que não se recuperam:

A pedra, depois de atirada.
A ocasião, depois de perdida.
O tempo, depois de passado.
A palavra, depois de proferida.

Por isso, vive com a intenção de ser feliz.

Não atires pedras, se não queres levar com elas.
Tenta não perder a ocasião.
Aproveita o tempo, "Carpe diem".
Se estiveres com os amigos no café, tem cuidado com o que dizes.
Se fores político, cala-te.

6 comentários:

Manuel Santos Marques disse...

Não penses que não aprecio o estilo taoísta do teu post, Tó, mas discordo da exortação final. A alternativa a estes políticos fala-barato seria uma espécie de senhores do Castelo de Kafka: inacessíveis e invisíveis, e por isso mais inelutáveis. Quanto mais se manifestarem, mais fácil será conhecer-lhes os pontos fracos para quando decidirmos fazer alguma coisa.
Agora o que não percebo é o objectivo deles: com metade da plebe no desemprego e a outra metade emigrada, com que é que estes xerifes de Nottingham vão encher a pança dos seus suseranos usurpadores?

António Branco disse...

Olá Manuel! Tens razão. Mas não queria que se calassem para tudo. Que se calassem quando estão dispostos a dizer asneira.
Mas também é verdade que se dizem asneira é porque a pensam. E se a pensassem e não a dissessem, enganar-nos-iam...
Mas acho que por vezes dizem asneira apenas porque têm de encher o silêncio... e seria (para alguns) indiferente dizer aos jovens para irem para o estrangeiro ou virem do estrangeiro, desde que o silêncio deixasse de doer...
Quem vão eles roubar daqui a uns anos? Provavelmente, roubar-se-ão uns aos outros, enquanto não forem para Paris estudar filosofia...

Isa disse...

Isso, façam isso meus filhos, o estado (nós), investe na vossa educação - mal, mas investe - e depois ide pró estrangeiro que aqui não há lugar pra vós... quem ..? nós, "fazermos" o lugar pra vós...?? ahahahaha ... ó caninos ... caninos ... 'tócupados a dizer merda, tais a ver ...?


Ao tiro, é o que te digo,(disse) e repito. Ainda vou presa à conta disto, mas p'lo menos vou d'alma relativamente lavada, caray. Cambada d'acéfalos.

Pusinko disse...

Foi uma grande oportunidade para estar calado que esse ministro perdeu.

Ou isso ou reformular o que proferiu....

António Branco disse...

Olá Isa! Os alemães chamam-nos um figo... os alemães estão a precisar de cerca de 20.000 médicos. E em poucos anos precisarão de cerca de 50.000... sem falar de outras licenciaturas, em que os alemães não querem investir. Imagina onde irão parar muitos dos médicos que estão agora em formação no sul da Europa... se os políticos dos respectivos países tiverem - ainda por cima - uma política destas, de "Vão, vão que têm é de se desenrascar"...

António Branco disse...

Verdade Pusinko! Mas também é verdade, como dizia o Manuel, que se eles não se saírem com estas tretas, também não os chegamos a conhecer... temos de integrar as forças políticas para ver se mudamos isto... e pomos de lá para fora aves raras destas.