sexta-feira, junho 10, 2011

10 de Junho

Há indivíduos que mostram consciência da situação em que se encontra o país. Da situação social. Do comportamento da generalidade dos políticos. E da sua relação com a população. E que apelam à mudança. Esses indivíduos podem até ser políticos. Porque não?

6 comentários:

Manuel Santos Marques disse...

E os visados ouvem isto e aplaudem sem qualquer pudor. Ou «os cães ladram e a caravana passa». O que mais se poderá fazer?

Fresco e Fofo disse...

Canta bem, mas não me alegra.
Pior do que ser político, é ser uma e outra coisa, e negar ambas, conforme as conveniências.
Ele já foi ministro. Fez o quê?
Basta ver o estado da agricultura para chegar à conclusão que o Barreto é um barrete igual aos outros.
Isto está a pedir é pelourinho. Queimá-los até à 5ª geração e tentar com outros, que estes já mostraram o que valem.

António Branco disse...

Olá Manuel! Como te disse antes, creio que o que há a fazer é integrar as estruturas e mudar as coisas por dentro. A não ser que lá dentro passemos a ser iguais... o que só sucede se deixarmos...

António Branco disse...

Olá Fresco! Parcialmente concordo. Mas não posso negar que o homem atira as pedras certas...
Quanto à actuação dele como Ministro, do que sei, nos pouco mais de 2 anos que esteve no Ministério da Agricultura tentou organizar uma reforma agrária completamente anárquica (publicando a "Lei Barreto"), indemnizando quem tinha sido usurpado das suas terras
e distribuindo créditos bonificados e incentivos fiscais a pequenos e médios proprietários. Assim, do pouco que sei do homem, fez algumas coisas que considero positivas.

Pusinko disse...

Não estou a par do ser trabalho enquanto ministro, mas gostei deste discurso. Atira as palavras num tom neutro e certeiro.

António Branco disse...

Olá Pusinko!
Um exemplo de que pode haver políticos bons.