terça-feira, maio 10, 2011

A Bela e o Monstro.

Gostei de ver e partilho. Em particular a partir do minuto 2 é estranho.

Dá para expandir a imagem de forma a ocupar todo o ecrã, o que aconselho.

10 comentários:

Utena disse...

Impressionante...
Toda a gente gosta mesmo de mimo

António Branco disse...

Olá Utena!
Acho que a individualidade nos leva à carência. Talvez à carência de pertença. Talvez à carência de pertença a algo a que já pertencemos antes.
... será que já pertencemos a algo mais do que ao corpo?
O mimo parece aliviar a carência. Não pensei foi que tal também sucedesse com tubarões.

Dark angel disse...

Fantástico. Por momentos cheguei a pensar que era montagem, mas quando ele se mexe e vai embora... eh pá... fantástico, só consigo dizer... há muita coisa transversal aos seres racionais e irracionais.

António Branco disse...

Fantástico Angel! Também sinto assim. Tudo é transversal. E a definição de racionalidade está feita à nossa medida. Todos me parecem ser racionais, mas de racionalidades diferentes.

Green Eyes disse...

Fantástico, tenho de partilhar com as minhas sobrinhas, em especial a que é de ciências do meio aquático, vão adorar :))

António Branco disse...

Olá Green! Também achei fantástico. Claro que para quem faça ou pense fazer vida da relação com animais ainda será mais extraordinário. Vão adorar. Seguramente.

Fresco_e_Fofo disse...

É difícil definir a fronteira da racionalidade.

António Branco disse...

Olá Fresco! Eu acho que não é possível... na verdade, não entendo a racionalidade de muita gente, alguns porque impetuosos, outros porque levam a vida a levar pancada mas parece que gostam (é ver as sondagens para as eleições...), outros porque levam a vida a fazer sempre as mesmas asneiras... não sei... não sei onde termina a irracionalidade e começa o racional...

Pusinko disse...

Olá! Fiquei colada ao ecrã completamente.
Posso fazer um link? :)

António Branco disse...

Olá Pusinko! Claro que podes! E é verdadeiramente hipnotizante...